Postado por Iredo em April - 15 - 2013

Dor nos ombros, nos braços, nas costas, nas pernas, na cabeça, nos pés. Quem tem fibromialgia conhece bem o corpo, pois todo ele reclama… Antigamente, as pessoas que apresentavam este quadro clínico sofriam duplamente, pois a doença demorou a ser reconhecida como um mal físico. “A fibromialgia já foi confundida com depressão e estresse. Por falta de informação — e diagnóstico —, os pacientes ainda tinham que sofrer na alma o transtorno que a dor já impingia ao corpo”, explica o reumatologista Sergio Bontempi Lanzotti, diretor do Iredo, Instituto de Reumatologia e Doenças Osteoarticulares.

A fibromialgia é classificada como uma síndrome porque se caracteriza por um conjunto de sintomas. “O que está presente em todos os quadros é a dor difusa pelo corpo inteiro, presente na maior parte do dia”, diz Sérgio Lanzotti. Em geral, a dor vem acompanhada de algumas outras manifestações como formigamento, irritabilidade, enxaqueca, cólon irritável, pernas inquietas e distúrbios do sono. “Os pacientes que apresentam fibromialgia geralmente dormem mal, têm sono leve, entrecortado, não reparador. Ao despertar, a pessoa fica com a sensação que não descansou”, explica o especialista em Reumatologia.

É comum ainda que os fibromiálgicos apresentem alterações de humor, com quadros de depressão ou de ansiedade. De acordo com pesquisas, 25% dos portadores apresentam sintomas de depressão junto com dores difusas, enquanto 50% relatam aos médicos que já tiveram crises depressivas, antes de surgir o quadro doloroso.

Com o avanço dos estudos e pesquisas sobre a doença, as evidências comprovam que a fibromialgia é uma doença física, sim. Não se trata de uma síndrome invisível. Há trabalhos científicos mostrando que o portador apresenta alterações na anatomia cerebral. Um desses estudos foi apresentado no final de 2008, na França. Graças a um exame por imagem chamado Spect – tomografia computadorizada por emissão de fóton -, os médicos do Centro Hospitalar Universitário de La Timone, em Marselha, constataram que no cérebro de 20 mulheres com esse tipo de hipersensibilidade havia um fluxo maior de sangue em regiões que identificam a dor. Paralelamente, notaram uma queda de circulação na área destinada a controlar os estímulos dolorosos. Nas dez voluntárias saudáveis que participaram da pesquisa, nenhuma alteração foi detectada. Este trabalho soma-se a outros dados consagrados sobre a presença do distúrbio, como o aumento dos níveis de substância P, o neurotransmissor que dispara o alarme dolorido e a menor disponibilidade de serotonina, molécula que avisa ao sistema nervoso que a causa da dor já passou.

Confirmada que a fibromialgia está longe de ser uma doença psíquica, a pergunta que ainda não foi respondida é por que a doença surge. “Quando soubermos a sua origem, conseguiremos acabar com a causa e encontrar a cura”, diz o médico. Por enquanto, o que se conhece são os gatilhos do terrível incômodo — fatores que desencadeiam a crise, como o estresse pós-traumático —, além dos meios de minimizar o quadro e devolver qualidade de vida aos pacientes.

Para diagnosticar a doença

Para diagnosticar adequadamente a fibromialgia é preciso estar atento aos seus vários sintomas. “O diagnóstico da doença é clínico, pois os exames complementares, na maioria das vezes, são absolutamente normais. É preciso basear-se na presença do quadro característico de dor e no reconhecimento de pontos pré-definidos que sejam dolorosos à pressão dos dedos do especialista”, explica Sérgio Lanzotti.

Para estabelecer o diagnóstico definitivo é preciso conhecer em detalhes a história do paciente, escutar suas queixas e procurar fatores emocionais ou quadros de depressão ou ansiedade. “Embora não sejam as causas diretas, as condições emocionais estão intimamente ligadas à enfermidade”, destaca o médico.

Tratamento melhora a qualidade de vida

Não existe uma terapêutica única para livrar o paciente de uma vez por todas das dores no corpo, problemas de sono, irritabilidade ou depressão associados. Mas a intensidade dolorosa poderá diminuir. Com a evolução do tratamento, a qualidade de vida pode melhorar. “O tratamento da fibromialgia precisa ser individualizado. Se houver alguma doença associada, ela deverá ser tratada para eliminar mais essa causa de sofrimento. E assim se procede com cada uma das doenças associadas. Procuramos equilibrar este paciente, sugerindo alterações no seu estilo de vida. Por exemplo, aconselhamos o paciente a não ficar parado. Atividades físicas aeróbicas e de baixo impacto, como uma caminhada; e/ou um trabalho de musculação bem dosado são benéficos, pois aumentam os níveis de endorfinas, melhoram o bem-estar e ajudam no relaxamento”, informa Lanzotti.

O médico destaca que, em alguns casos, juntamente com os exercícios, é necessário empregar medicamentos para manter a dor sob controle. “São prescritos medicamentos que atuam sobre os níveis de serotonina, melhorando o processo de inibição da dor e as mudanças de humor”, explica.

Os medicamentos utilizados no tratamento da fibromialgia abrangem desde analgésicos até anti-convulsivantes estabilizadores do Sistema Nervoso Central. “Dentre os tratamentos que estão sendo pesquisados para alívio das dores, destacamos a estimulação magnética transcraniana, que consiste na aplicação diária de ondas elétricas em um local específico do crânio. O tratamento ainda é experimental, encontra-se em avaliação, tanto no Brasil, como em centros especializados do mundo, como o Centro de Neurociência da Universidade de Harvard, Boston, nos Estados Unidos”, informa Lanzotti.

Já as drogas como os opióides, com exceção do tramadol, não são muito eficazes no tratamento de pessoas fibromiálgicas. “O consenso é que no rol de cuidados não podem faltar remédios, atividade física aeróbica e uma boa alimentação. Um exemplo: caminhar de três a quatro vezes por semana, durante 30 minutos, libera substâncias prazerosas como as endorfinas e relaxa a musculatura. Alguns portadores de fibromialgia que seguem esse receituário chegam até a dispensar a medicação”, diz o reumatologista.

Por fim, Sérgio Lanzotti destaca que durante o tratamento, é preciso “ensinar ao paciente algumas artimanhas para evitar os fatores estressantes, que são gatilhos para a dor. Técnicas de respiração e de relaxamento podem ser caminhos para o alívio do sofrimento também”, defende.

FONTE: AS MAIS MAIS

Categorias: Imprensa, Sem categoria

6 Comentarios to " Fibromialgia: como conviver com uma dor que não passa? "

  1. euzirene lindoso says:

    gostaria de receber dicas de como viver melhor com a fibromialgia .pois;ultimamente tenho sofrido muito com essa doença
    doençs essa invisivél para muitos .

  2. Nadla says:

    Excelente artigo do Dr. Sérgio Bontempi-Dir. Iredo. Eu acredito que tenho esse problema pois conivo com dores fortes há mais de três anos, em todo o corpo. Formigamentos, dores de cabeça, nas pernas, já tenho noites mal dormidas. Sempre fui muito ativa o que está me deixando deprimida não poder viver como antes. Só preciso saber se a fibromialgia causa também inchaço nos pés pois esse sintoma está sempre me perseguindo.

    Agradeço se puder obter respostas.
    Nadla

    • Iredo says:

      Nadla, para ter certeza sobre o seu diagnóstico, procure um médico de sua confiança. O diagnóstico da fibromialgia envolve diversos aspectos e exames.

  3. Sirlene Pugliesi says:

    Gostaria de informações sobre a carência de vitamina D em relação a fibromialgia.

Deixe seu comentario

Informe Legal

Busca Palavras-chave

artrite reumatóide autoestima das pacientes com artrite baixa ingestão de cálcio Calendário da Atrite Reumatóide caminhada pela prevenção da osteoporose depressão em pacientes artríticos depressão em pacientes reumáticos diagnóstico do reumatismo Dia Internacional da Mulher Dia Mundial da Osteoporose Dia Mundial de Combate à Osteoporose Distúrbios Osteomusculares Relacionados com o Trabalho - DORT doença auto-imune crônica Encontro Anual do Colégio Americano de Reumatologia espondilite anquilosante EULAR 2014 exercícios de carga para prevenir osteoporose exercícios para artríticos exercícios para pacientes reumáticos falta de vitamina D fibromialgia geriatra Elaine Kemen Maretti geriatra Elaine Meretti Instituto de Reumatologia e Doenças Osteoarticulares Iredo IV Caminhada de Combate à Osteoporose lúpus lúpus eritematoso sistêmico obesidade x doenças reumáticas osteoporose osteoporose na menopausa palestra Conscientização e Prevenção de Doenças Reumáticas e Osteoporose Palestra de Conscientização e Prevenção sobre a Osteoporose prevenção da osteoporose prevenção de quedas em idosos quedas de idosos reumatologista Sergio Lanzotti reumatologista Sérgio Bontempi Lanzotti saúde óssea Síndrome de Sjögren tabagismo x doenças reumáticas tratamento da osteoartrite tratamento da osteoporose V Caminhada de Combate à Osteoporose vi caminhada de combate a osteoporose Imprensa (265)
Palestras (2)
Sem categoria (6)

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.

Redes Sociais